14 fevereiro 2014

Perdoe-me tanto laquê - Juliana Gervason

Comentários

   Já queria dizer que isso não é uma resenha e sim um relato do quanto que amei ler "Perdoe-me tanto laquê", da querida Juliana Gervason.
   Comprei esse livro em novembro do ano passado, dois dias depois de seu lançamento. Como não é sempre que se tem uma oportunidade, pedi uma dedicatória (já que ela não dá autógrafos)
   Tinha o propósito de ler um poema por dia, mas quando vi o texto da Patrícia Pirota me emocionei tanto que não larguei mais o livro. 
   Sendo assim, terminei de ler na volta da escola e fiquei muito pensativo. Primeiro, por quê percebi que a autora conseguiu transmitir uma dupla personalidade (que todos nós temos) de causar inveja. Depois, imaginei o quanto foi incrível ter lido algo tão íntimo de uma pessoa muito especial.    

Meu autógrafo
   A edição da editora Bartlebee é muito boa e algumas páginas tem códigos em QR Code para achar alguns links interessantes. Fisicamente o livro é perfeito (não que em outros aspectos não seja).
   Na verdade, não tenho palavras para descrever o tanto que amei este livro. Então só tenho a dizer que super indico e fiquem com o poema que mais gostei.

novas idiossincracias 
me privam tanto a liberdade 
que de vez em quando 
invejo os sem teto 
que têm ao seu alcance 
todos os tetos do mundo 
Pg. 25

Autora

Juliana Gervason é, por natureza, mineira e caseira. Por acaso, blogueira e vlogueira. Por formação, especialista, mestre e doutora em estudos literários. Por vocação, professora de literatura. E por amor, viciada em livros (e agora escritora publicada).


Informações
Perdoe-me tento laquê
Juliana Gervason





Editora: Bartlebee
Ano: 2013
Nº Páginas: 75



Cotidianidades, idiossincrasias, vontades, saudades de Ana Cristina Cesar, preces, carências. A simplicidade e a complexidade de alguém sensível, que sente demais o seu redor; e observadora, que observa tudo o que a cerca e traduz em palavras o que todo mundo viu e sentiu, mas não se deu conta. Tudo isso é apenas parte da obra que o leitor tem em mãos. O livro de estréia que aqui está (o primeiro, e com gosto de experiência antiga), contém sua alma, suas alegrias, seus temores, suas angústias e questionamentos; seu bom humor, sua tristeza, sua acidez e sua delicadeza; seu coração mineiro maior que o mundo. Manuseie com cuidado. Pensando melhor, use e abuse. Não é todo dia que nos deparamos com livros como este.


3 comentários :

Lara Melo disse... Responder

Vi a Tati Feltrin e o Gabriel do cabine literária comentarem sobre esse livro, achei a proposta interessante, mas não parece o tipo de coisa que eu apreciaria.
Lara,
http://www.whoisllara.com/

Gabriel Luan disse... Responder

@Lara MeloLara, se fosse você leria esse livro. Ele é tão bonito e pensativo, que acho que você gostaria sim.

Ane Reis disse... Responder

Oie Gabriel =)

Não conhecia o livro e nem autora, mas pela sua resenha ele me pareceu um livro bem interessante.

Beijos;***

Ane Reis.
mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
@mydearlibrary


Postar um comentário